ASSOCIAÇÃO DE PRAÇAS DA POLÍCIA MILITAR E CORPO DE BOMBEIRO MILITAR DE MATO GROSSO DO SUL

DEFENDENDO A VALORIZAÇÃO DOS NOSSOS ASSOCIADOS COM AUTONOMIA E INDEPENDÊNCIA!

Governo diz a servidores que não dará reajuste e vai elevar alíquota previdenciária

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Em rodada de conversa, sindicatos dizem ter sido apenas avisados das decisões. (Foto: Gustavo Monge/Divulgação)

Durante as rodadas de reuniões com 38 sindicatos de servidores estaduais, o Governo de MS anunciou que a pandemia do novo coronavírus impedirá a concessão de reajuste geral ao funcionalismo e que enviará à Alems (Assembleia Legislativa de MS) projeto de lei para implantar a unificação da alíquota previdenciária – que passará dos 11% atualmente cobrados a quem recebe até o teto do INSS ao percentual de 14% aos ativos, aposentados e pensionistas.

Presidentes de sindicatos que participaram das conversas, na SAD (Secretaria de Estado de Administração e Desburocratização), reclamam da falta de negociação e contam que as reuniões serviram apenas para repassar a informação de que não haverá nenhum aumento na data-base, que seria no mês de maio, além do aviso de aumento da contribuição previdenciária.

A justificativa do Executivo é a crise mundial causada pela queda na arrecadação global, em decorrência da pandemia. “Até abril o arrecadado é o previsto do orçamento do ano passado, então do previsto de R$ 15 bilhões, o primeiro quadrimestre eles arrecadaram normal”, argumentou Ricardo Bueno, presidente do Sintss (Sindicato dos Trabalhos em Seguridade Social em MS), ao questionar as justificativas do Executivo. Na avaliação dos dirigentes, a situação deve piorar ainda mais com o aumento na cobrança da previdência.

“O principal que vai arrombar o bolso do servidor civil é a questão da alíquota previdenciária. Porque hoje os inativos, quem ganha até R$ 6.101 que é o teto do INSS, essas pessoas não contribuem para a previdência do Estado. Com esse novo projeto poderá contribuir, e o valor dessa contribuição poderá variar de 7,5% a 22%”, adiantou Eduardo Ferreira, presidente da Aspra (Associação dos Praças da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros), sobre o impacto que a medida terá, na prática, para o funcionalismo.

O projeto, contudo, não irá impactar a previdência dos militares, que é regulada por lei federal. Atualmente, a alíquota aplicada no Estado é progressiva na qual os servidores da ativa contribuem com 11% até o limite do teto do INSS. Os demais, pagam a diferença de 14% somente em relação ao que excede esse valor. “O Governo não apresenta nenhuma proposta, só sabe dizer que não tem condições. Mas pra aumentar a alíquota previdenciária e congelar a nossa carreira, sempre tem discurso”, resumiu o presidente da Aspra sobre as conversas.

Além da entidade, Sintss e diversos outros sindicatos participaram da rodada de reuniões da tarde desta segunda-feira  (11). Pela manhã, o encontro contou com a Feserp (Federação Sindical dos Servidores Públicos Estaduais e Municipais do Estado de MS), representantes da edução e tributação. Ainda há reuniões previstas para esta tarde, para completar o ciclo de conversa com 38 entidades.

Reforma Previdenciária

Nesta tarde, o Governo do Estado divulgou nota informando que irá enviar projeto de lei complementar à Alems unificando a alíquota de contribuição em 14% aos ativos, aposentados e pensionistas. Segundo o Executivo, a medida é para consolidar a reforma da previdência, aprovada em dezembro do ano passado no Estado.

O Governo informou ainda que a medida segue imposição da União, prevista na Emenda Constitucional 103 que alterou o regime previdenciário do País. Também alegou que o aumento na cobrança dos servidores deve ajudar a reduzir o déficit financeiro que atualmente é de R$ 29,8 milhões.

Em relação à data-base, o Governo informou ainda que a União condiciou socorro financeiro ao reajuste zero aos servidores. Apesar de admitir a exceção a categorias como saúde e segurança, o Executivo justificou dizendo que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) deve vetar essa condição.

“Nossa prioridade número um é pagar os salários em dia, conforme determinação do governador Reinaldo Azambuja. Qualquer ampliação de despesa com pessoal nesse momento de crise impossibilitará o Governo de cumprir com suas obrigações. E nesse cenário, atrasar salário é muito mais penoso do que não ter reajuste salarial”, argumentou o secretário-adjunto da SAD, Édio Viegas.

Fonte: Midiamax, em 11/05/2020

Por Danúbia Burema e Dayene Paz

 

Comente